Eu Ciúmes? Imagina!

Constantemente atendo no meu consultório casais com sérios problemas no relacionamento, e muitos relatam que o principal problema é o ciúme

Quem nunca teve ciúmes que atire a primeira pedra! Baseado nesta experiência de atendimentos busquei entender melhor o que é o ciúme, quais as principais causas e como combater esse sentimento. Juntei tudo neste artigo e espero contribuir com vocês

Ciúme é um assunto que gera bastante discussão, pois, todos de alguma forma já vivenciaram esse sentimento, contudo, o ciúme não é sinal de amor ao próximo, e sim um sentimento egoísta em que se tem medo de perder a exclusividade e posse sobre o parceiro.

Este sentimento nasce e gera dúvidas e desconfianças que afligem a mente das pessoas, trazendo um grande sofrimento emocional. A dúvida e a desconfiança surgem de diversas formas, a maioria surge de falsas interpretações de acontecimentos, onde o ciumento julga como certeza algo que é fruto de sua imaginação.

Muitos outros sentimentos estão envolvidos quando se fala de ciúmes, como por exemplo: inferioridade, baixa autoestima, sentimento de injustiça, e medo inconsciente da perda.

Em geral, como consequência, o ciúme leva à insatisfação e término do relacionamento conjugal. Pois a pessoa ciumenta, movida pelo sentimento de desconfiança, raiva, baixa autoestima, angustia e insegurança passa a querer controlar o parceiro, achando que este é infiel.

Muitas pessoas tratam o ciúme como algo normal e sem importância. O ciúme é de maneira geral considerado com o algo ruim e prejudicial ao relacionamento, ainda mais quando se torna um ciúme patológico, ou seja, quando necessita de ajuda profissional.

É importante que se tenha consciência de quando o ciúme já ultrapassou a barreira do normal e precisa ser tratado, é preciso que a pessoa com esse problema tenha noção de que alguns problemas requerem mais que somente sua boa vontade de mudar e procurem assim a ajuda de profissionais que estão habilitados a tratá-lo de forma justa, possibilitando uma vida dentro da normalidade no menor tempo possível, diminuindo os pontos de conflitos e desenvolvendo comportamentos mais saudáveis.

 

Já ouvi diversos motivos de ciúme, porém elenquei algumas causas mais comuns e falei um pouco sobre elas, segue: 

Desconfiança: Parece óbvio, mas a desconfiança é uma das principais causas dos ciúmes, principalmente, se uma das partes já foi traída ou passou por mentiras em um relacionamento anterior. Os pensamentos sempre são voltados a que isso possa novamente acontecer e acaba virando em uma desconfiança do novo cônjuge.

Trauma Infantil: Muitas pessoas acham que trauma é algo muito grave, que causa uma loucura ou uma seqüela visível, não é só isso, existe muitos traumas (ou na grande maioria) inconscientes. Este trauma infantil parte de quando a pessoa tem (ou teve) um pai e/ou uma mãe um tanto “safadinhos” e a pessoa vê durante toda a sua infância o (a) mesmo (a) cantar outras mulheres e/ou homens a não ser a sua mãe ou seu pai. Isso faz com que ao chegar à adolescência e na fase adulta imagina que todos os homens e/ou mulheres são iguais e, portanto, desenvolvem um grande ciúme com a pessoa que está se relacionando.

Mentira: Talvez a mais comum em todo o mundo. Por mais “pequena” que seja, a mentira gera desconfiança e insegurança. Mesmo que não tenha diretamente a ver com uma traição física, a mentira leva naturalmente qualquer um a desconfiar do parceiro (namorado (a), marido ou mulher). Uma mentirinha sobre o que iria fazer, por exemplo, ao sair da casa de sua namorada pode desencadear uma grave crise de ciúmes. Acontece que algumas vezes pode-se dizer que está indo para casa e, na verdade, está indo à casa de um amigo ou, até mesmo, a outro lugar.
Tudo pode sair como o imaginado, porém já diz o ditado: “a mentira tem a perna curta” e, assim sua namorada poderá ficar sabendo e o resultado é um grande ciúme, que pode demorar a passar. 

Possessividade: A que mais vejo acontecendo é a possessividade, ou seja, quando um lado acha que a outra é posse, com isso, tenta ou quer controlar, chegando a sufocar o outro junto de si. Acontece que qualquer fugida da “linha” aos seus olhos provoca uma grave onda de ciúmes sem que exista, na verdade, algum motivo para que este fato aconteça.
Como ninguém é de ninguém, quem pensa que possui outra pessoa acaba por se desiludir e sentir revolta por razões ligadas a uma enorme falta de bom senso. 

Insegurança: é um agravante e pode desencadear ciúmes sem qualquer fundamento. A autoestima deve ser trabalhada diariamente, de forma que nunca nos deixemos ir abaixo. Quanto mais embaixo nos sentimos, menos confiança temos no amor do nosso cônjuge. E não havendo essa confiança aparecem os ciúmes, por tudo e por nada. Temos de investir em nós mesmos para sentirmos mais autoconfiantes, seja a nível emocional ou físico.

Como eu disse há outros motivos que causam os ciúmes, mas por se tratar de um artigo sintetizei a estes.

Depois disso tudo, O que fazer para controlar o ciúme? Daí aqui também elegemos algumas dicas dentre outras diversas.

Analise bem os fatos: O ciúme faz com que vejamos as coisas através de uma lente de aumento. A pessoa ciumenta costuma exagerar ou interpretar de forma contraria as atitudes da pessoa amada. Antes de entrar em uma briga, analise bem a situação e veja se não é tudo fruto da sua imaginação. Se possível peça a opinião de uma pessoa da sua confiança.

Tenha autoconfiança: Sabe aquele ditado “Confie em seu taco”. Alguém que não acredita em si próprio pode acreditar que as outras pessoas também não acreditam e que poderão ser trocadas a qualquer momento. O autoconhecimento é essencial para essas pessoas. É preciso olhar no espelho e admirar a pessoa que você se tornou. Se você não se admira, quem admirará?

Confie mais no seu cônjuge:  a melhor coisa a fazer é dar um voto de confiança ao seu amor, afinal é isso que significa amar: confiar e respeitar.   

Não seja possessiva (o): Gente não se possui, gente se conquista! E se conquista todos os dias. Todos os dias, nós devemos estar dispostos a conquistar o outro, para que ele (a) queira continuar conosco; Como diz um terapeuta familiar que admiro muito, e adequando aos relacionamentos:  “relacionar é fácil, difícil é manter o relacionamento”.

Melhore a sua autoestima: Muito parecido com autoconfiança, o ciumento  pode achar que é alguém sem qualidades que pode ser trocado facilmente. Pior, alguém assim pensa que não vai conseguir outra pessoa. Isso geralmente está ligado a uma autocrítica exagerada e um pouco conhecimento de si mesmo. Se você passar a se conhecer melhor, conhecer o seu corpo, o   seu jeito de ser e viver, com certeza irá se apaixonar por você, é aí ninguém segura hehe.

Tenha outros amigos:   Sempre digo, o namorado(a) não devem ser sua única escolha de contato. Ser solitário instiga o ciúme, pois o parceiro (a) não é só um amor, mas também o único amigo.  Os amigos também ajudam a distrair a mente, podem aconselhar, alegrar após as brigas e por ai vai.  

Ocupe o seu tempo com outras coisas: Não vai te servir de nada ficar dia e noite imaginando as possíveis puladas de cerca do seu parceiro (a) e vasculhando a vida dele (a) em redes sociais. Ao invés disso ocupe o seu tempo com coisas que você goste de fazer e possam te distrair desse pensamento obsessivo. 

 

Seja feliz sozinho primeiro. Solteiro, porém feliz, resolvidão. Se conseguir será um ótimo parceiro (a).

 

  

Comentários